02 setembro 2013

Necrológio Dum Laço Afetivo.

I.
Como um fantasma:
Turvo, sempre a desaparecer. Entre-
Tanto,

Ainda presente.


II.
Como uma névoa:
Turva-se.
E desaparece.


III.
Um verbo súbito: o romper.
Não o separar,
A separação é sentida.
O romper, não. O romper é inicialmente
Um estalo fino, desencadeando em ondas
                                                               E ondas
                                                                                E ondas
                                                       E
  On

       das

Uma dor,
Alguma dor
Que os já iniciados nos laços humanos
Entendem como a consequência
Do encontrar pessoas, criar laços, entremeá-los,
Dançar na dança cega, improvisada,
Atarantada e divertida que é
Atar laços
Para, de repente,


O romper.


Não o separar.
Que a separação é sentida.
O romper, não. O romper é inicialmente
Um estalo fino, apenas. Desencadeando em ondas
                                                               E ondas
                                                                                E ondas
                                                       E
  On

       das
Uma dor.


IV.
Depois, e somente depois
Preocupar-no-emos
Com os sangramentos
Do coração.

Castelo.

Um comentário:

Tarco disse...

vontade de ler e reler e ler mais uma vez!